3 de jul de 2011

O fim da LABRE?

A primeira vez que falei no rádio eu tinha 16 anos, no ano de 1982, lá se vão 29 anos transitando entre diversas modalidades oficiais e oficiosas, experimentais e como Pesquisador de Telecomunicações, sai buscando ampliar meus conhecimentos neste universo da radiofrequencia, uma paixão, um hobby e por fim uma profissão.

Nestes quase 30 anos de rádio eu acompanhei o histórico de implantação de muito clubes de radioamadores e da própria extinta DENTEL, ANATEL e LABRE no universo do radioamadorismo. Desde sempre existe um grande apelo para que os radioamadores se filiem a LABRE, fortalecendo a força de ação desta e por consequência a sua representatividade. Mas em todos os estados as discussões e questionamentos são os mesmo, o que a LABRE faz hoje pelo radioamador? Estaria a LABRE interessada somente no recolhimento das mensalidades? Porque a LABRE não apóia o VHF, por sinal a faixa mais utilizada pelos radioamadores. E por ai vão inúmeros questionamentos sem resposta.

Com o passar do tempo a LABRE vem se distanciando de seus associados, para frustração dos que construíram parte desta história e alegria daqueles que vivem do passado e desejam ver as portas cerrando. Pela ausência de atuação da LABRE nacional, os clubes de radioamadores tem buscado se estruturar da melhor forma possível, absorvendo para si a administração, coordenação, fiscalização, implantação de repetidoras, promoção de eventos e etc. Temos hoje alguns clubes que tem total organização e de fato estão aliadas as necessidades de seus associados. Será o fim da LABRE ou será o maior alerta já emitido para que a LABRE nacional se reposicione quanto ao relacionamento com os labreanos? Na semana passada analisei um material que detalha o número de radioamadores no Brasil, mais especificamente os números referentes a São Paulo que conta com 9.824 radioamadores licenciados oficialmente pela ANATEL, sendo 2.490 na capital e 7.334 nas demais cidades do estado.

Cabe aqui uma reflexão, desejo que seja ampla e bilateral, falando da LABRE-SP, quantos destes 9.824  radioamadores de São Paulo são associados a LABRE-SP? Fazendo conta de padeiro, se temos este já expressivo número registrado, devemos ter algo em torno de mais 5.000 que operam sem licença, ou seja, o número total é muito maior. Quão representativa seria a LABRE-SP com este número de associados?

Minha opinião pessoal é a de de todos os radioamadores deveriam ser associados a LABRE de seu estado, mas com uma contrapartida considerável e justa. Assim também como considero importantíssimo a implantação de clubes e associações de radioamadores.

Seria momento de sugerir uma mesa redonda, com representantes que estejam dispostos, com muita transparência e atitude, a fortalecer os radioamadores, fortalecer os clubes e associações e a soma disto seria o fortalecimento da própria LABRE.

A Associação RADIOAMADORES SEM FRONTEIRAS apóia a LABRE-SP, com distinto respeito ao Sr. Aramir Lourenço – PY2AL, que em suas ultimas ações vem demonstrando maior atenção direta aos radioamadores. Que as mudanças continuem, pois não é interessante para nenhum dos lados assistir a falência da LABRE enquanto órgão representante dos radioamadores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário